terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Quase a pôr a beiça em 2009

Nos preparativos (emocionais, físicos - os antigripine é que são bons, psiquicos, e sei lá mais a que níveis) para o novo ano.
As previsões dizem que vai ser excepcional para Sagitário. Estou para ver... Se for como 2008 estou grego, turco, índio americano, indiano (mesmo Hindu), mal empacotado, lixado e embalsamado.
Os balanços de 2008 já são mais que muitos, e esta coisa de andar a fazer projecções e a desejar coisas à miss Universo é uma valente treta. Nada se parece realizar. Se se realiza este bicho insatisfeito acha que nunca nada basta, e já nem se lembra.
As coisas parvas (de banais, as tais à "miss Universo") como saúde, paz, dinheiro, amor e outros sentimentalismos parecem nunca se realizarem porque, temos sempre tudo isso para dar e vender. A minha rede, no alto da cadeira do último segundo do 31 de Dezembro, cai sempre para essas passas coloridas e desidratadas de tanto serem cobiçadas (e desdenhadas, já agora).
De pé direito, a tropeçar no esquerdo, às cavalitas dos velhos, a partir cadeiras, a beber, a chorar, a sorrir, a cantar (9, 8, 7...), em família, com amigos, de cuecas e camisola azuis, de roupa nova... Entra-se no novo ano de quinhentas maneiras e o ser humano ainda não arranjou a suprestição certa a quem atribuir as culpas do seu sucesso.
A minha, começo a achar, é mesmo entrar sempre da mesma maneira. Às vezes corre bem outras não.
No alto, amarrado à flute (à flauta, como a Maria Delfina e Denise de Magalhães dizem) de champagne (fiel às origens do dito cujo), com doze (e doces) passas (horríveis, sequinhas como virótes) na mão, a contar em decrescendo (se a palavra não existir estão perante um novo FP e JS), a sepultar o velho e a levantar o novo.
Mais que nada esta coisa de passagem de Ano é um mito. Lá está, este ser humano agarra-se sempre às coisas mais surreais. Este ano a novidade é termos mesmo de introduzir um segundo do tal decrescendo.

Hoje, como não tinha nada para escrever de pretinente, e como aindei por aí (a cuscar certos e determinados blog's, que ninguém me ralhe por favor :D), surgiu (por analogia saliente-se) este tema.
Cheira-me que este post deveria ter acontecido em fase post mortem do ano. Mas, enfim, sou muito influenciável.

Luís Gonçalves Ferreira

1 comentário:

  1. Como sabes (ou devias saber) sou um bocado dada a essas coisas...

    12 uvas (pq não gosto de passas a solo, e as uvas fazem o mesmo efeito), partir o prato, bater com as panelas, beber o belo do champagne, ver o fogo, rir, abraçar, passar os 1os minutos do ano agarrada ao telemovel a desejar tudo de bom aos meus amores,o belo do karaoke familiar, e uns quantos amigos para fazer farra até às 500!

    :DDD

    Já agora, que 2009 traga tudo de bom, tu mereces!


    Beijo!

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!