sábado, 10 de janeiro de 2009

Hi5's

Os hi5's parecem, cada vez mais, autênticos bordeis e quadros surreais deprimentes.

Eu cada dia que ponho as "vísceras" (retenha-se apenas a componente metafórica do termo) no hi5, só vejo cenas.

Começo a achar que estas pessoas não andam a bater bem do côco. Não podem. Não estão.
Só pode ser!
As cenas alheias começam-me a deprimir seriamente (sim, porque eu sou deprimível facilmente).
Isto começa a ser perigoso e viciante como os telemóveis. Só se vêm cenas de engate parvo, fotos quase que pornográficas, vidas escancaradas ao escárnio alheio, dados passiveis de violação e usurpação.
São autênticas exposições do corpo de forma gratuita. Isto resulta do exacerbado cultivo da imagem, do corpo. São crianças! Crianças, caros leitores! Não me cabe na cabeça.
Provavelmente se tivesse os meus 12/14 anos faria o mesmo. Gostaria, porém, que alguém me alertasse para os problemas de tal exposição.
Os pais metem as crianças na escola e o professor que eduque (para a saúde, para a sexualidade, para a sociabilidade, para a administração do tempo, para a educação em todos os sentidos), controle e que não bata (esta concordo), nem grite, nem magoe a intelectualidade ferida do menino.
Responsabilidade, conhecimento, leitura, consciência plural, empreendedorismo falta aos meus colegas, aos governadores do amanhã, aos doutos professores (infelizmente já apanhei tanto professor mau na minha vida) e à família de hoje.

Por experiência, vejo-me, diariamente, a braços com lutas de compreensão, de entendimento, de diálogo. Lutas por não conseguir manter, salvo algumas excepções (ainda bem que elas existem), uma conversa adulta e sóbria com alguém da minha idade. Infelizmente só se percebe o óbvio, o linear, o reflexível na obscuridade de uma mente encerrada ao conhecimento fácil.

Não sei se esta é a (vossa) realidade. Nem sei se a minha tenra idade me licencia a fazer uma crítica destas. Aliás, só sei que nada sei, fraseando Sócrates (não o nosso, mas o outro).

Tenho dito,
Luís Gonçalves Ferreira

4 comentários:

  1. Acho que só tens que procurar seres tu a alertar as pessoas que conheces e que achas que deves alertar...

    Obrigadinha pela parte que me toca quanto a "manter uma conversa adulta e sóbria com alguém da minha idade", mas, bem vistas as coisas eu nao tenho a tua idade :DD

    Beijinho!

    ResponderEliminar
  2. Cat - és uma excepção. Ainda bem que o és. Por isso, obrigado!@

    ResponderEliminar
  3. :D

    Curto imenso as nossas conversas avassaladoras!

    xDDD

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!