quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

«Há palavras que nos beijam»


http://kefirux.deviantart.com/art/words-45708578


"Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca.
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto;
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte."
Alexandre O'neill

As palavras e o seu eterno sabor a mel, a estuque, a tulipas e uvas francesas. As palavras são múltiplas, íntimas, reveladoras, livrescas e cantoneiras dos mais profundos desafios intelectuais.

Das palavras ressalta o amor, o ódio e a mais incrível expressão morfo-sintáctica do desempenho humano.

Às palavras pouco de palpável se acrescenta, mas muito se duvida e interpreta, nas estática s observações filosófico-indagativas. De grandiosos textos, o génio ressalta como a mais ágil metamorfomose de uma borboleta qualquer.

Entre as palavras e o génio do admirável Alexandre O'neill ressalta este poema de que tanto gosto. Saltam «as palavras que nos beijam».

Eu deixo-me beijar por elas e por tudo que elas comportam. Pelas pessoas e mundo que circunscrevem.

É delas que abuso e me aproveito,
Luís Gonçalves Ferreira

PS.: tirei boa nota no exame de Economia, que felicidade!

6 comentários:

  1. As palavras são aquilo que de melhor há neste mundo!

    Com elas podemos fazer tudo...demonstrar os nossos sentimentos e opiniões, são armas e escudos de defesa.

    São, também,como as cerajas (e nós bem o podemos dizer)!

    São um bem mais que precioso!

    :DD


    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. O que mais gostei:


    As palavras e o seu eterno sabor a mel,(...) a tulipas e uvas francesas. As palavras são (...) reveladoras, livrescas e cantoneiras dos mais profundos desafios (...).

    (...)
    De grandiosos textos, o génio ressalta como a mais ágil metamorfomose de uma borboleta qualquer.

    Eu deixo-me beijar por elas (palavras) e por tudo que elas comportam. Pelas pessoas e mundo que circunscrevem.

    É delas que abuso e me aproveito,


    Abraços ;)

    ResponderEliminar
  3. Bem LUIS, andas com um vocabulário muito abrangente e inovador, também leste "A Boca Do Inferno" do Ricardo Araújo Pereira, não? lol
    Adorei o poema, e mesmo a tua análise tá lá ;)
    Gostei particularmente da parte do estuque (lol) e "Das palavras ressalta o amor, o ódio..."
    Tens jeito, continua ;)

    ResponderEliminar
  4. Cath - minha amiga, que seria dos bloguer's sem as palavras. Elas são, como tu dizes, autênticas e paradoxais cerejas! :D Um beijo!

    Daniel - obrigado pela visita e pelo apontamento. Um abraço :D

    Luma - Por acaso li a "Boca do Inferno" e gostei bastante. Obrigado pelo elogio e pela força. Estarei cá sempre para escrever e pensar. Obrigado pelo comentário. BEIJO!

    ResponderEliminar
  5. Olá Luís

    parabéns! O gosto pelas palavras alimenta-te e dá-te asas para enfrentares a vida com os seus sabores e dissabores...
    Eu também adoro esse poema...

    ResponderEliminar
  6. Entrar no teu blog e ouvir esta música é algo que sabe mesmo bem!

    As palavras são qualquer coisa de mágico que a vida nos dá, elas sabem magoar e ferir, sabem alegrar, sabem enganar. Dou muito valor ao que me dizem, às palavras que oiço, se bem que as atitudes não ficam atrás no grau de importância. É pelas palavras que te conheço, a ti e a mais alguns bloguistas que simpatizam com o meu blog. É pelas palavras que nos vamos entendendo e sentindo as dores e os vazios dos outros.
    É por isso que dou maior valor a este mundo encaixado num ecrã de computador. Vou ficando aqui à espera de palavras, das tuas palavras!

    E olha, Luís, parece que foi de porpósito! Adoro esta música e tu escreveste sobre ela no dia 26 de Fevereiro, dia esse em que alguém, tipo eu, faz anos :) ehehe

    (E palavra aqui, palavra ali, só te digo isto que não tem nada a ver: Festa da Espuma :D ahaha Aquilo ás tantas já é uma javardice pegada, mas então, é divertido à farta andar para lá a dançar com espuma até ao pescoço! Beijinho Luís)

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!