terça-feira, 14 de abril de 2009

Laranja amarga e doce

Minha laranja amarga e doce
Meu poema
Feito de gomos de saudade
Minha pena
Pesada e leve
Secreta e pura
Minha passagem para o breve breve
Instante da loucura.

Minha ousadia
Meu galope
Minha rédea
Meu potro doido
Minha chama
Minha réstia
De luz intensa
De voz aberta
Minha denúncia do que pensa
Do que sente a gente certa.

Em ti respiro
em ti eu provo
por ti consigo
esta força que de novo
em ti persigo
em ti percorro
cavalo à solta
pela margem do teu corpo.

Minha alegria
minha amargura
minha coragem de correr contra a ternura.

Por isso digo
canção castigo
amêndoa travo corpo alma amante amigo
por isso canto
por isso digo
alpendre casa cama arca do meu trigo.

Meu desafio
minha aventura
minha coragem de correr contra a ternura.
Cavalo à Solta - José Carlos Ary dos Santos

Entre amargo e doce, a alegria e a armagura, encontra-se o verdadeiro "ser" das pessoas especiais. Bebemos do exercício natural dos pólos das coisas. E eu gosto disso.

Como costumo dizer - a bipolaridade dá cor à vida. A minha, entre estes dias, anda extremamente colorida.

Sem mais,
Luís Gonçalves Ferreira

2 comentários:

  1. Este é "só" um dos "meus" poemas de sempre, como o são tantos outros deste senhor. E musicado, e cantado (preferencialmente pelo Carlos do Carmo) arrepia, de tão avassalador.
    Obrigada!

    (deixa lá, por cá também anda tudo coloridíssimo!! e que seríamos de nós sem estas cores?! ;) )

    ResponderEliminar
  2. Tens toda a razão quando dizes : "Entre amargo e doce, a alegria e a armagura, encontra-se o verdadeiro "ser" das pessoas especiais."

    Foi tão bom ler o poema em simultâneo com o som da música.

    Beijinho

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!