quinta-feira, 14 de maio de 2009

Até Amanhã

“Não sei quantas almas tenho”[!]. Nem sei, tão pouco, quantos rostos conheço. Aliás, conto, pelos dedos, aqueles que reconheço verdadeiramente.

Amargura-me a boca saber que a confiança se perde, fugindo por entre as frechas da calçada. Cato, como uma mãe africana, os resquícios desta memória ferida.

Deixo-me invadir pelos vícios psicológicos de uma geração. Sobretudo pelo da eterna insatisfação moral.

Cada vez mais conjecturo um reflexo feito carne. O meu reflexo feito Homem…
Seria tão mais fácil viver assim…

Carpir. Apetece-me chorar.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que segue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu?"
Deus sabe, porque o escreveu.
[!]

Até amanhã,
Luís Gonçalves Ferreira

[!] Fernando Pessoa - Não sei quantas almas tenho

8 comentários:

  1. É verdade, na nossa vida fugaz poucos são os que ficam para sempre, não porque não queiramos que permaneçam mas porque os desígnios misteriosos da vida assim o ditaram.

    Beijinhos*

    Izzy

    ResponderEliminar
  2. (Enquanto comentava aqui em baixo fui surpreendido pela tua playlist: "Hope there's Someone" do Antony!!! (que eu espero escutar e cantar na próxima segunda-feira!;)) Que maravilha! Que consolo para um dia estúpido, não é?

    Obrigado.) :)

    ResponderEliminar
  3. Concordo com a Izzy!

    E o poema foi bem escolhido!! Adoro os poemas de Fernando Pessoa..:))

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  4. Izzy Mel - eu já nem choro pelos perdidos. Eu choro pelos que se estão a perder. Chora, acima de tudo, por poder menos, cada vez menos, confiar nas pessoas. Obrigado pelo comentário. Um Beijo!

    Daniel (Lobinho) - se é! eu gosto de chorar. não me envergonho disso. E todos choramos. Nem que seja na calma do nosso espírito. A mágoa é o carpir da almar. Abraço

    Luís P. - É um consolo enorme. A minha admiração pelas músicas (e génio e modo de ver o mundo) tem vindo a crescer. Vem a Braga dia 16 de Maio. Não consegui arranjar bilhetes. Fico à espera do próximo concerto. Abraço.

    Marta - Fernando Pessoa (e acho que se nota) é dos poetas que mais amo (não digo admiro, porque é mais do que isso). É uma fonte de inspiração. Beijinho.

    ResponderEliminar
  5. A reunião da APE-UFI poderá servir para libertar esse choro. :D

    Beijo!

    ResponderEliminar
  6. Viva!
    Então aqui vai um coment sem medo, sem receio e sem mais nada...

    E a tua alma como é? Está aprisionada ou deixa-la voar?
    Aprisionaram-te ou dão-te asas?
    ;-)

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!