domingo, 17 de maio de 2009

Até ao Domingo há "Novas Oportunidades"...

http://ww1.rtp.pt/noticias/images/articles/386694/socrates_minedu.jpg

Até ao Domingo há "Novas Oportunidades" e Primeiro-Ministro e Ministra da Educação.

Muitos diplomas. Muitos velhinhos. Muitos novos-desempregados. Alguns "novos-pobres". Outros tantos (de muitos que já são), aproveitam a benesse de um Governo que desencanta dinheiro e salubridade financeira de um El Dourado qualquer, de uma Lapónia qualquer.

A Ministra dá a partida com aquelas coisinhas vermelhas-barulhentas-irritantes (é gorda e velha de mais para correr). O Primeiro-Ministro - que já teve menos barriga (é, com certeza, dos nervos, das lágrimas, da insónia, ou, quiça, de um regime alimentar), correu mais uns 10 quilómetros pelas Novas Oportunidades. No final, suado e cheio de sorrisos amarelos, não queria falar de política. Ele não se lembrava das críticas dos compadres de corrida (mas admitiu a remota existência). Ela emocionada, de capa psicológica de rastos, tal era a carga simbólica dos 10 quilómetros do Primeiro.

Agora, aos primeiros minutos do Tele-Jornal, apetece vomitar um geiser.

Irra! ... Para os Lopes da Mota, os Freeports, as Novas Oportunidades, o fugaz e pouco novo 12.º ano obrigatório, os TGV e Aeroportos (sem porto, nem conforto financeiro), as Fernandas Câncios, as demagogias (que alimentam as rédeas deste país em fase pré-voto-amenésico-repetitivo), os discursos pseudo-carpitideiros e para esta maioria absoluta (que entornou o caldo antes do fim do Mandato)!

A mais das vezes, acho que não me deveria irritar tanto com esta política pegajosa, ranhosa e populista made in Sócrates.

Sem mais,
Luís Gonçalves Ferreira

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. olho para esta foto e tenho vontade de aperter o pescoço, só não sei a qual das criaturas que nela consta =$

    ResponderEliminar
  3. "...não me deveria irritar tanto com esta política pegajosa, ranhosa e populista made in Sócrates."--> concordo e tá tudo dito!!!

    Um beijinho grande.

    ResponderEliminar
  4. É que eu acho que qualquer um não consegue evitar ficar irritado com uma situação destas.
    Muito se diz mas o que é facto é que os sorrisos amarelos, são para durar, bem como o tempo de Sócrates no governo!
    São imensas as vezes que tenho enormes discussões sobre politica, e tenho chegado à conclusão que de nada me vale.
    Já relativo aos primeiros minutos do Tele-jornal, partilho da mesma opinião apetece vomitar, que tristeza, estamos a chegar a um ponto demasiado artificial, e isso assusta-me.
    Mas que posso fazer eu? Se nem ainda direito ao voto tenho? Não posso fazer quase nada, mas posso falar e escrever e isso poderei sempre.
    Um beijinho Luís.
    (apaguei o outro comentário por que tinha alguns erros)

    ResponderEliminar
  5. Admito que não percebo nada destas coisas de política e mal sei os nomes dos políticos (é uma vergonha, eu sei). contudo, cada vez vejo o país pior e começo a ficar preocupada com o futuro.

    Beijinho Luis

    ResponderEliminar
  6. 300% contigo.

    Até quando terminas a achar que nao te devias irritar tanto com esta politica pegajosa, ranhosa e populista, made in Socrates.

    It sucks.

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  7. São todos ranhosos. Não considero o Sócrates especial, e não lhe dou a importância que a maior parte lhe dá. Amanhã vem outro e a história repete-se e os adjectivos reformulam-se.

    Quanto à música do meu blog, para mim ou vencia essa ou a da Turquia. Mas a da Inglaterra era sem dúvida superior. Super perfeita. :)

    Abraço.

    ResponderEliminar
  8. Hoje estou um farrapo e não estou inspirada para responder ás palavras que deixaste no meu blog (que, para não variar, foram admiráveis!).

    Mas isto do blog é engraçado, porque a propósito desta admiração por Fernando Pessoa de que falámos, lembrei-me de ti mesmo agora porque estou a ler Álvaro de Campos. Vim aqui fazer nem sei o quê...talvez um desabafo de nada!

    De qualquer forma, obrigada não sei pelo quê. Isto faz-me bem.

    "Começo a conhecer-me. Não existo.
    Sou o intervalo entre o que desejo ser e o que os outros me fizeram,
    ou metade desse intervalo, porque também há vida ...
    Sou isso, enfim ...
    Apago a luz, fecho a porta e deixo de ter barulhos de chinelos no corredor.
    Fico eu no quarto só com o grande sossego de mim mesmo.
    É um universo barato. "


    É mesmo :/

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!