sábado, 30 de maio de 2009

Entre-linhas

Ontem sussurrei o teu nome.
As veias dilataram, o coração pulsou como nunca.
Senti um borbulhar intenso. A carótida saltou.
Tum Tum!
Foi orgásmico e intenso.
Ali. Fiquei entre o malabar e o malabarista, a magia e o mágico, o dom e o poeta.
Fomos arte e matéria, sentimento sem sentido.


Tudo. Foi o que foi. Sem ponteiros para exemplos, nem tão pouco explicações.

Silêncio.

De repente um corrompio mortal rodou, dançou, amordaçou o espaço outrora ofegante. O Fogo amansou. Ninguém o pediu. Aconteceu.

Grito.
Suor.
Terror.

Era um sonho.

Sem amo-te. Entre o evitamento e aproximação. Com régua e esquadro de Mestre. Apenas isso. Desenho meticuloso. Sem tempo para quadrículas, nem operações rebuscadas.

Sem ti,
mera assexualidade mental.

Luís Gonçalves Ferreira

7 comentários:

  1. Isto tem que se lhe diga, tem tem.

    :D

    ResponderEliminar
  2. Está brutal, 'Tudo. Foi o que foi. Sem ponteiros para exemplos, nem tão pouco explicações.' parabéns.
    Beijinho Luís.

    ResponderEliminar
  3. Adoro os teus posts :)

    Beijinho **

    tudo de bom xP

    ResponderEliminar
  4. 'Ali. Fiquei entre o malabar e o malabarista, a magia e o mágico, o dom e o poeta.
    Fomos arte e matéria, sentimento sem sentido.'
    Tcharan! Está fenomenal Luís. :)
    Gostei mesmo.
    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  5. Etlá Luis! Que texto fantástico, mesmo! Está intenso :)


    (Um "VIVA!" à Ana, que hoje não veio cá chatear o Luís com relatos tolos! [Um LOL, por favor!])

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!