quarta-feira, 15 de julho de 2009

A lealdade e o conhecimento

http://fc03.deviantart.com/fs40/i/2009/053/9/2/Exploration_of_knowledge__by_Porral.jpg

Sempre critiquei a falta de lealdade intelectual. As coisas quando não são pensadas e/ou criadas por nós não podem ser vinculadas, aclamadas e proclamadas como nossas. Justiça e lealdade nas ideias e nos pensamentos, é isso que peço sempre. Não gosto de vaguear pelos blogues, teses, apontamentos, e perceber que ali não mora a mínima consciência de mesura e responsabilidade.

A citação de fontes é fundamental para a percepção da rectidão de certa ideia. O criador soma-se à obra criada, resultando na perpétua singularidade e originalidade de um feito. Sob pena do esquecimento, as observações alheias dever-se-ão manter nesse status, no estado de criação externa a nós, mas aceite pelo nosso discernir. Ao citarmos algo ou alguém estamos a respeitar outro ente, com pensamentos e contextos de vida únicos. O espírito de alguma coisa faz-se constar no seio da sua équa repetição. Assim, sobrevivem as obras de arte dos grandes génios emblemáticos. Que seria de Leonardo Da Vinci sem os quadros pechisbeque que reproduzem a Última Ceia ou Gioconda? Um pintor de elites? Acredito que sim. Contudo, é do conhecimento comum e actual que Leonardo inventou, criou e foi extremamente revolucionário. O conhecimento desenvolve-se dentro do conhecimento, por acomodação e desenvolvimento, como uma bola-de-neve.

Ao desenvolvermos um conceito, principalmente quando o positivamos, esperamos que ele seja observado, criticado e, se for o caso, alterado. Se alterado, almeja-se que o seja justamente. O poder de criticar positivamente habita, apenas, em certos iluminados. Esses são tão raros como os pólos onde fervilham ideais verdadeiramente inovadores destabilizadores das verdades a se stante. Admiro quem assume, de forma pronta e concreta, as suas influências.

Falo de tudo isto, porque abundam na blogoesfera e nas academias a apropriação de conhecimentos gerados de forma clara, original e estruturada. Por mais fantástica que seja a cópia, nunca será tão maravilhosa como a potência originária. Podem tentar criar clones, mas as estruturas factuais, históricas, sociais e culturais únicas, relativas a certo conceito, fa-lo-ão sobreviver numa redoma especial. Daí o valor do facto, da prova e do contraditório. Acredito que aí resida o núcleo duro do respeito inato pelo mérito.
Sei que podem existir os favorecimentos, as cópias, os clones. Conforta-me saber que existirão sempre, e para sempre, os grande génios, os criadores inovadores e a revolução na senda da evoluçã positiva.

Sem mais,
Luís Gonçalves Ferreira

3 comentários:

  1. O original, os grandes génios, serão sempre especiais e únicos e vão permanecendo ao longos dos anos.
    Gostei do que escreves-te, e tenho pena que de momento não possa comentar melhor. É a tal coisa de me ser difícil transmitir por palavras aquilo que penso. Forma-se uma "bola" de ideias na minha cabeça que passa-las por escrito fica confuso. É um dos aspectos que tenho que (tentar) melhorar.
    E o que escreves-te aqui na parte dos comentários é encorajador :)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  2. Uma pessoa fica umas horinhas sem te vir visitar e encontra logo três textos novos :O Sabes bem que concordo com tudo.

    "Por mais fantástica que seja a cópia, nunca será tão maravilhosa como a potência originária."

    Fantástico como habitual.

    Beijinho sem cópias :D

    ResponderEliminar
  3. 'Conforta-me saber que existirão sempre, e para sempre, os grandes génios, os criadores inovadores e a revolução na senda da evolução positiva.'
    Genial são estes teus textos que nem sempre comento, mas que sempre faço questão de ler.

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!