segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Amizade. Uma ode!

Amo-te não só pelo que és, mas por aquilo que sou quando estou contigo.

Amo-te não só por aquilo que fizeste de ti, mas por aquilo que fazes de mim.

Amo-te porque fizeste mais do que qualquer credo poderia ter feito para me tornar bom, e mais do que qualquer fado poderia ter feito para me tornar feliz.

Fizeste-o sem um toque, sem uma palavra, sem um sinal.

Fizeste-o sendo tu próprio.
Talvez seja isso o que significa ser amigo, afinal.

(Anónimo)*

Uma ode, para que nunca tenhamos medo de dizer Amo-te. Porque a amizade, meus caros leitores, é uma forma de amor. Não nos percamos em subterfúgios, digamos Amo-te, simplesmente. Isso basta. Como no amor de amante, os pequenos gestos valem mais do que os presentes milionários. Sejamos realistas, os Homens gostam, no meio das mundividências supérfulas, de gestos sinceros. Sejamos realistas, este mundo de promiscuidade sentimental não nos preenche. As relações não sobrevivem numa lógica de prostituição sentimental, pelas ofertas. Reparem, nada muda, cá dentro, com o telintar do papel-moeda.

Que esta seja a minha ode à amizade!

Sem mais,
Luís Gonçalves Ferreira

* Cit. por Ana Paula Bastos, no livro Mensagem de Amizade.

1 comentário:

  1. Posso não dizer o Amo-te vezes suficientes, ou até mesmo nenhumas, mas sinto-o, isso já meio caminho andado.
    São poucas as pessoas que o dizem abertamente, e não entendo o porquê, parece uma espécie de tabu, quando deveria ser das coisas mais simples de se dizer.
    Digo com toda a simplicidade: AMEI a citação tal como o resto do post, tal como o blogue :)

    Beijinho

    P.S.: ah, e também do autor do blog xD

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!