quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Capão

Estou no meio de um stress grupal (e dos grandes). Simplesmente não sei como hei-de reagir a certos conflitos que se geram no meu redor. Principalmente, quando eu sou o elo de ligação de uma coisa que, para mim, existe, mas que, para os outros, parece ter morrido. Continuo numa luta, diletante e desgastante para que tudo continue igual. Eu finjo-me, oculto-me e sorrio, na certeza que está em mim o remédio, com o saber que o problema não é directamente meu. Sinto-me na obrigação de ter tal postura, porque sei que nada se faz sem esforço e o mínimo de dedicação. Agora, enlouquece-me fazê-lo quando o duelo entre as partes me corta os pulsos, friamente. Isto corrói-me o espírito e deixa-me consciente de algumas das minhas incapacidades.

Não possuo qualquer rasgo de omnipotência, embora tenha pena de não possuir tal categoria. Passo maus momentos por não poder tudo, a qualquer momento. Se o tivesse, fazer-vos-ia perceber que tudo se modifica por desleixo e falta de diálogo. Eu não quero largar ninguém por um alguém, mesmo que os dois sejam importantes. Seria tão bom afirmar-me como um monstro das relações sociais, que anda para a frente e preocupa com o resto de mundo que há entre eu e o migo. Não consigo. É contra a minha natureza. Sofro. Sempre sofri por ser assim. Antes incansável do que irresponsável, é o pensamento que reconforta.

Nada se cimenta sem confiança e força positiva. É nisso que acredito. Creio mais nisso do que mal-entendidos e perversidades intelectuais. Continuarei assim (pelo menos até que me caia a ficha), nem que seja por não querer existir como um capão social.

Sem mais,
Luís Gonçalves Ferreira

4 comentários:

  1. Onde quer que estejas, onde quer que vás, vais sempre ter que lidar com situações semelhantes a esta. Terás que aprender a lidar com elas e a crescer enquanto Homem. O resto o tempo encarregar-se-á de deixar apenas vestigios!

    ResponderEliminar
  2. Difícil o meio termo é - diria Master Yoda ;)

    Penso que não devemos deixar de fazer o que pensamos ser correcto, mas isso implica muito mais do que simplesmente fazetrmos o que achamos estar correcto. Implica toda a psicologia da relação com os mecanismos do inconsciente e, por isso, difíceis de trabalhar nas emoções com os outros. DE raiva, de conciliação, de ser ponte, de...

    The only way to learn is to make mistakes... meanwhile, try to do your best, as i'm sure you've just been doing...

    all those hugs

    ResponderEliminar
  3. Às vezes, apetece baixar os braços e desistir. Quando e se o fizeres, ninguém to poderá levar a mal. Mas enquanto fores capaz de resistir, luta. É dessa massa que és feito.

    Beijo!

    ResponderEliminar
  4. Nunca resistas a uma boa luta...é uma das coisas que mais gozo dá, principalmente se ganharmos no fianal. Se não ganharmos, sentiremos orgulho de todo o nosso esforço.

    Beijinho Sr. Doutor =P

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!