sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Animus

A pintura cheirava a fresco. A vida sentia-se a morte. Tudo estava putrificado, inclusive os grandes sonhos de outrora. Desamparo. Desânimo. Cansaço. Uma incrível impressão de falência efectiva dos projectos dados como certos. Coragem. Força. Alegria. Rarefacção de forças. Uma grande confusão intelectual. Última linha.

Luís Gonçalves Ferreira

3 comentários:

  1. Isto é a sua homenagem à minha pessoa?!
    Se não é poderia muito bem ser :P

    ResponderEliminar
  2. Quase dá vontade de dizer que estes teus rasgos neste registo, são recorrentes em ti, como se fizessem parte da tua personalidade. falar deles faz bem. tentar perceber também. Por vezes apenas deixar passar é o melhor. Acontecia-te muito antes do verao no final do nao lectivo, ainda me lembro.

    um abraço grande

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!