quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Em pseudo-festa, ainda.

Nada acontece por acaso. É verdade. Hoje senti-o, vivi-o e adorei a sensação. As pessoas com que nos cruzamos, cada uma à sua maneira, têm uma energia incrivelmente nova para nos fornecer. É como se eu vivesse numa lógica de pesos e contrapesos. Tudo na vida tem um sentido, mas nem sempre consigo percebê-lo à primeira evidência. Depois de ter sorrido, abraçado, beijado, sentido e falado, cresci mais um bocadinho, como se as recentes horas dos 21 anos fossem especialmente boas e satisfatórias. Com certeza que isto significará um ano melhor do que o passado, onde, por vezes a mais, a insegurança vigorou, o medo vergou sorrisos e coisas foram perdidas.

Obrigado a todos pela generosidade dos vossos Parabéns. Senti-vos presentes. Em tudo senti generosidade e apreço. É isto, meu Deus, que ainda me deixa crer que há algo de bom no ser humano. É isto, ser divino que paira, que me deixa viver com pessoas, em pessoas e pelas pessoas.

Um brinde!

Sem mais,
Luís Gonçalves Ferreira

1 comentário:

  1. Um brinde ao que ainda nos move (; ao que mais merece de nós, que mesmo sendo pouco vindo do coração torna-se tudo.


    Deixo-te um beijinho*

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!