sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

Barulho das letras

Apetecia-me romper o silêncio.
O silêncio romper.
Apetecia-me o silêncio.
O barulho é um apetite.
Apetecia.
A.

Luís Gonçalves Ferreira

2 comentários:

  1. E fez-se o silêncio outra vez... Quem escreve se alimenta de letras, inspirações que vão e vem. Silêncio, letras, silêncio outra vez.

    Abraços, caro Luís!

    ResponderEliminar
  2. Bravo! Uma inquietação desnudada em versos. O silêncio é o que nos grita! E faz-se um barulho estridente e um calmaria absurda quando em versos dizemos disso tudo.

    Ah, você manda nuito bem na poesia! Muito mesmo. Adoro te ler, meu doce poeta!

    Beijoooooo!

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!