quinta-feira, 29 de abril de 2010

Macaco este feitio

Eu sou incontornavelmente uma pessoa muito difícil. A minha teimosia controla-me, muitas vezes, a boca e as pernas. E eu não controlo. Mais tarde arrependo-me. Não do que sou, mas da forma como me manifestei. Nunca quero, em momento algum, magoar injustamente as pessoas. Quero sempre manter-me integro e correcto, embora possa parecer, para os outros, uma besta quadrada. E muito triste quando  sinto que uma nuvem paira sobre as cabeças das pessoas, como quem adivinha uma chuva torrencial numa noite de Agosto. Isto não é ser mole ou ter falta de carácter, é somente odiar discussões. O problema é que, sem controlar, muitas vezes eu próprio acabo por provocá-las.
Agora fustigo-me por dentro. Como quem se consome aos pedaços, até o outro dar sinais de perdão verdadeiro.
Estupidez de feitio. A culpa é, por certo, dos paizinhos. 

Luís Gonçalves Ferreira

6 comentários:

  1. Boa tarde Luis

    O texto está mesmo muito bom e como eu me identifico com ele até porque sou um pouco assim e muitas das vezes acabo também por me arrepender e não quero mesmo magoar as pessoas , enfim ninguém pode ser perfeito , podemos sim tentar contornar de vez em quando certos aspectos ou certas atitudes .

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  2. Como eu te entendo, sempre me prejudiquei por dizer o que está mal, o que me revolta e consome.
    Mas faz parte do nosso tecido, não há nada a fazer. Pelo menos assim do dia para a noite.
    Orgulha-te de seres transaparente nas tas ideias (sejam elas opurtunas ou não).
    E o perdão ade chegar (:

    Beijo, beijo Luis :)

    ResponderEliminar
  3. Ora deixa cá vir, em nome da segunda idade, repor ordem na chafarica... :)
    É muito bom pensar que o mau feitio nos está nos genes e que não há nada a fazer e blábláblá. Tu sabes que eu sou a rainha do mau feitio e permito que muito poucos filtros se interponham entre o que sou e o que mostro. Mas a idade (eu sei, eu também não acreditava) torna-nos mais serenos; não nos atenua a "má raça", mas ajuda-nos a magoar os outros menos vezes. Vais ver.
    :)

    Beijos!!

    ResponderEliminar
  4. Luís,

    O problema nao está no feitio em si, de sermos ranhosos ou bonzinhos. A questão está na maneira como lidamos com o referido feitio e, sempre que vemos que fomos mais além, mostrar que nao somos os brutos que parecemos e dizer isso mesmo. Com a idade as coisas poderão ficar ainda mais vincadas (tudo o que somos torna-se mais vincado para o bem e para o mal à medida que a idade avança, mas só na terceira idade) ;) è a boa parte. Na fase mais madura tipo dos 30's aos 60's temos de saber dar mostras de que nao somos o que aparentamos. Porque nao se pode desculpar tudo dizendo apenas ser fruto do feitio; os outros nao têm de ficar sensibilizados nem melindrados porque somos assim e pronto. Claro que nao. O óbice está com quem tem o mau feitio. Mas deve aceitar-se com naturalidade. Percebeste-me mal e talvez eu nao tivesse ajudado a que percebesses mas tem a ver com a minha maneira de ser. Nao leves a mal E pedir desculpa se necessario for. Porque se te sentes mal, entao deves reparar isso fazendo chegar a msg completa ao aoutro. A partir daí é que ja nao é contigo :)

    E eu sei que tens um coraçao do tamanho do mundo, Luis.

    Um abraço sempre grande

    ResponderEliminar
  5. "embora possa parecer, para os outros, uma besta quadrada"

    rs

    Ahh... você não é nada disso! Tem opiniões fortes, é inteligente, e tem um coração enorme, isso sim.

    E no mais, tento sempre contar até 10 antes de responder algo difícil, naqueles momentos em que somos só sentimento. Páro, respiro, pondero... e por fim, tento dizer exatamente o que penso, mas, com palavras amenas. Nem sempre consigo, mas, muitas vezes dá certo. Como ensinou minha mãe, não é o que se diz, mas, como se diz.

    Abraço, amigo Luís! Saudades suas.

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!