sábado, 10 de julho de 2010

Por detrás da nova imagem deste canto

 We must crown our heroes

A lógica iluminista, inteligente, simbólica e imperial do Terreiro do Paço sempre me encantou. Significa a profundidade que as peças de arte (de qualquer género) devem conter: um pedaço de História. Estar ali, no meio, virado para o Tejo é um transporte no tempo. Espelha um malogrado destino de um país que, outrora potência, reconstruiu, por infortúnio do tempo, um pedaço medieval, transformou-o em algo novo e apresentou-o ao Mundo. É como se, ali, num pedaço de chão, estivesse a réstia triste de um Império e o movimento hostil de um país que cresceu, ano após ano, século após século, de uma forma atabalhoada, confusa, mas sempre com uma imagem exterior límpida, renovada. Foi isso que guiou Dom João V, Dom José e o seu Marquês, a I República e a sua incursão na Guerra, Salazar e a sua exposição em 1940, a Expo 98', o Europeu de Futebol e que guia o TGV. São imagens que nos guiam como povo. Não interessa se se morre de fome para além de Lisboa. Não importa o umbigo que isto tem. E o umbigo é o Terreiro do Paço que é, no fundo, o reflexo do poder central deste nobre burgo.
É com esta legenda pictórica que actualizei o template deste blogue. Em cima, no topo, compus o quadro imperial com um espaço das letras, dos registos, uma espécie de marcação de um Quinto Império que, como Pessoa dizia, nos falta alcançar. E é por aqui, caros leitores, pela cultura que, agora, no desarrumo, podemos avançar. Por isso não me revolto contra o acordo ortográfico, contra os irmãos da nossa língua, não desconsidero a Maria João Pires, Lobo Antunes ou José Saramago. É pela cultura. Pelas letras. Por nós. Por mim. Por tudo continuo a escrever. Pela arte.
A fotografia que aproveitei em cima é obra de um amigo que, como os grandes artistas, consegue captar, com inteligência visual, aquilo que os outros menosprezam. Podem ver algum do seu trabalho no seu blogue pessoal ou na sua página do deviantArt. Ele chama-se Ménon e caminha com o talento, a dedicação e a paixão por algo que não é físico, não é de carne, mas é espiritual, uma espécie de credo e chama-se Arte.

Continuemos e demos as mãos. Bem ou mal, com mais ou menos correcção (isso conquista-se), estamos cá, juntos, nesta espécie de piquenique, feita de arte, seja ela como for, de que forma for, tenha os mares e as terras e os barcos que tiver. É o Império feito de pequenos enclaves. 
Luís Gonçalves Ferreira

9 comentários:

  1. Caríssimo, obrigado pelas afáveis palavras e pela propaganda hehe. Continuação do bom trabalho. :)

    Ménon

    ResponderEliminar
  2. Muito muito bem, Luis:)

    Continuemos então :)

    ResponderEliminar
  3. "Por detrás da nova imagem deste canto" está aquele teu lado que não te deixa abandonar Direito e por mais que o teu outro lado, aquele que é criativo e que te pede para deixar toda essa criatividade que fervilha na mente sair à rua, te chame o primeiro, sério, dominante, altivo, enfadonho e politicamente correcto, abafa completamente.
    É dura esta tua luta de eu's Luigi!

    ResponderEliminar
  4. Ménon - De nada, meu caro. Temos que valorizar aquilo que é bom, mas precisa de uma ajuda. Eu, com os meus poucos recursos, faço o que posso pela criatividade e pelo reconhecimento da mesma. E tu só tens que continuar a acreditar.

    Pés de Bailarina - Continuemos. Como sempre fizemos. Obrigado por tudo. Até hoje e daqui para a frente. Obrigado!

    Cat. - É tão bom ter uma pessoa que me conheça tão bem quanto tu. E isto é mágico, porque me descortinas em segundos, não censuras, ajudas e percebes. Sabes que esta luta é incrivelmente complexa de se lutar... Mas hei-de arranjar o balanceamento. Juro. E quando o fizer sei que tu, amiga, estarás lá comigo. Obrigado e um imenso beijo!

    ResponderEliminar
  5. Então tá decidido que vamos tomar um café perto do Terreiro do Paço. Meu Deus, a baixa lisboeta é lindíssima!

    Beijo (:

    ResponderEliminar
  6. Deixei-te um selinho no meu blog Luís... :)

    ResponderEliminar
  7. Não tens que agradecer... És mais do que inspiração :)

    ResponderEliminar
  8. Gostei muito! (como sempre). Ora quem tem bom gosto, tem e pronto! Beijinhos

    P.S: Quanto aquilo do copy/paste eu consigo ver por um contador de visitas que tenho. Desculpa a demora da resposta :S Mas nao consegui faze-lo antes.

    Beijinhos*

    ResponderEliminar
  9. Coelha - Obrigado pelo elogio aqui ao ego que, já se sabe, é sempre bem-vindo. Vou lá analisar o teu contador. Quero apanhar macacos, tb :D
    Beijooooo Grande!

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!