quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Vou partir... nesse barco

São como farpas, leves, breves,
Aladas. Encantadas.
Raspam. E moem.
E mastigam como de um corvo preto se aproveitasse.
E mantivesse uma dor, 
Pérpetua (e profunda), 
Que escava, por dentro,
Com a frieza de quem já não sente,
Ou talvez sinta... Mas já nem se cative,
Porque mata e lapida o que de bom
Mais abundava.

É o Império do passado.
Do infinitivo de um verbo
E de um tempo que foi.
Destilou-se em águas bravas
E rochas pálidas de uma natureza qualquer.
Caminhou, com conchas negras às costas, 
Num peregrinação sem rumo,
O fundo era pano erguido e jamais descido.
São estórias feitas da História dos tempos
E das gentes. E de tudo o que mais grita, 
Entre as pernas de um povo.
Malfadado fado.
Negro destino.
Pobre e podre fardo de um corpo por demais cansado.
E farto. 
São memórias. Rasgadas em fios panos. 
Do tal fim que não há e foi erguido e jamais descido.

Resta uma torpe língua.
E defeituosos sentimentos de raspados batimentos
De uma febril carne que mora,
Dentro, perto do ar, 
Ao pé do canto do peito profundo. 
É o coração a torpe. 
É o coração o pano.
É o coração o barco que não vem.
E é a razão o que destila o tempo.
E o vento.
O nosso vento.
O nosso tempo. 
Do espaço que se abriu entre os nossos corpos
Para nunca mais nos aproximar.

Vou partir. Nesse barco.
 
Luís Gonçalves Ferreira

2 comentários:

  1. Pois parte. Mas não nesse barco. É um barco feito de uma beleza incomensuravel de palavras,como tão bem sempre ilustras e ocnsegues, mas onde a dor te pode rasgar o ser...

    ResponderEliminar
  2. Invejo o teu jeito para a escrita. Seja prosa ou poesia, consegues sempre surpreender-me...

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!