terça-feira, 7 de setembro de 2010

Raiva existencial (parte II)

O amor não vale a pena. Nunca valeu e não seria agora diferente. Magoa. Faz sofrer. E fustiga bravamente por dentro. O amor de amante, refiro-me eu. Se soubermos amar, por inteiro, na base do reconhecimento falamos de um amor diferente e mais belo. Basta aprender a amar. E disciplinar o corpo, por dentro, para não sentir de mais. Mais vale não sentir. Sentir faz sofrer. Hoje sinto-me, de repente, um reaccionário mesclado com Ricardo Reis. Foi ficar no meu canto e seguir a minha missão: tornar cada vida, em isolado, um lugar mais belo. Não fui feito para amar. Nem para ser amado. É isso que tenho que martelar dentro da cabeça. E chega. Não quero mais.

Luís Gonçalves Ferreira

9 comentários:

  1. deixar de amar seria mais fácil, mas talvez assim fosse cobardia..todos temos por vezes, vontade de não amar mais , mas depois percebemos que essencial fazê-lo, nasce connosco =)

    ResponderEliminar
  2. Estou perplexo com as tuas palavras, mas só tu poderás avaliar o teu AMAR...

    Abraço-te

    ResponderEliminar
  3. Sabes que isto é treta, não sabes?
    Sabes que eu tenho quase o dobro da tua idade e que já o senti e que o sinto muitas vezes (agora, for instance) e que, ainda assim, sei (porque quero, porque não posso acreditar que seja de outra forma) que isto não pode ser, não é?
    Acreditemos, sempre.
    O amor vale (mesmo) a pena, mesmo que, na sua ausência, teimemos em negá-lo.

    Beijo!

    ResponderEliminar
  4. Quanto maiores as experiencias maior a aproximação ao amor. E muitas vezes so se chega a algum lado depois de nos termos perdido varias vezes. Nao so faz parte do crescimento interior como, por mais que custe diz-lo, é necessario. O que importa é que por detras de uma nuvem NUNCA DEIXA DE ESTAR O SOL.

    Um enorme abraço encorajando-te na conquista do futuro que, obviamente, mereces.

    ResponderEliminar
  5. Ricardo Reis é um génio.
    Mas o mestre continua a ser Alberto. Porque ele sente. E se deixa levar.
    Não estivesse eu num dia RR e concordaria com o que te disse em cima.
    De um modo ou de outro, continuo a achar que vale a pena amar, ser amado e fazer o amor acontecer. Sem pressas que o tempo não voa.

    ResponderEliminar
  6. O amor vale a pena enquanto é vivido com intensidade por ambas as partas, mas quando já só uma luta é que custa e por isso é que sofremos e esse sofrimento acaba por nos destruir e isso não é saudável. Quando isso acontece mais vale deixar partir o amor e tentar caminhar em frente com um ligeiro sorriso e vais ver que a vida também te há-de sorrir .

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  7. Senti, e às vezes sinto o mesmo. Mas aparece sempre a mesma pessoa que me muda o meu pensar.
    Vai aparecer a pessoa certa Luís, e vais rir-te desta entrada um dia, assim espero eu, mais tarde ou mais cedo.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  8. Por vezes temos de saber "ver" e entender o lado B da coisa!!!
    Outras vezes fazemos escolhas erradas, pk somos humanos, e não sabemos observar o k realmente se passa a nossa volta. Por vezes o amor está mesmo a nossa frente e nos nao o vemos, quando damos conta, ele foi-se.
    Aí sim, o amor faz sofrer... e mt!!!
    bj*

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!