quinta-feira, 28 de abril de 2011

Eterno sonho

Eterno sonho, acho que ainda não cresci o suficiente para perceber tudo o que me acontece na vida. Os braços, as pernas, os cabelos, tudo cresceu. São pedaços de histórias em fragmentos. A rugas da alma mostram o que as rugas da pele contam, mas por outras palavras. Na verdade não são palavras, tu sabes. Sonho, reconheço que erro, sempre, ao dar-me em demasiado... ao entregar-me sem sequer pensar receber. Sonho, querido sonho, não sei se escolherei a felicidade ou ela me escolherá a mim, nem sei se ela existe, na verdade. Sonho, irreal memória do futuro, apetece-me segredar-te mundos e fundos, mas não me dás respostas, nem linhas, nem traços, mas o vazio. Não percebo. Juro que não percebo. Como te disse, sonho, não acredito no totalitarismo da ciência, por isso, ao que não percebo, ofereço o tempo e a razão sentimental que ele tem. Sonho, sonho. Sei onde te encontrar, mas não vou invadir o teu espaço. 
Fala comigo, antes que acordemos a cidade e tudo vá trabalhar.

Luís Gonçalves Ferreira

1 comentário:

  1. Como é bom ter sonhos , faz com que possamos criar algo que nos faça sentir bem, faz com que certos sentimentos se tornem mais intensos. E bem sabemos que muitos dos dias não queremos abrir os olhos e visualizar a verdadeira realidade já que o sonho nos traz uma enorme tranquilidade e é onde tudo o que nos preocupa no dia a dia desaparece.

    Beijinho querido *

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!