sexta-feira, 15 de julho de 2011

Relatividade

Esperas que o telefone toque e ele não mexe. Esperas por um sinal e ele não chega. Esperas por ti e aparentemente não te encontras. E depois habituas-te, calmamente, a viver sem nada disso, porque nada disso importa. E, apesar de viveres em linhas, ainda as podes escolher, principalmente porque podes saltar fora e isso só depende de ti. De vez em vez, por suspiros, tens saudades e sentes melancolia. É normal: logo adormeces e passa; nada disso te importa.

Luís Gonçalves Ferreira

4 comentários:

  1. Identifico-me tanto com estas tuas palavras, incrível!

    ResponderEliminar
  2. Ora aqui está sintetizado o que se passa comigo nos últimos dias. Gostei!
    Bom fim de semana :)

    ResponderEliminar
  3. Estas palavras tocaram-me , tocaram-me talvez por me sentir assim nesse misto de coisas .

    Beijinho *

    ResponderEliminar
  4. Um verdadeiro espelho de mim própria :)

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!