sábado, 15 de setembro de 2012

In memoriam

Era dezembro e o tempo estava triste... Acho que ainda consigo sentir a pequena chuva a cair-me no rosto, o gorro que me protegia a cabeça... Um comboio havia-me trazido de madrugada, ao teu encontro. Vestia calças pretas, como hoje. Usava a mala preta – a mesma de hoje. Era Inverno e tinha um lenço fancy, diferente dos de todos (sempre gostei de peças de roupa estranhas). Claramente tentara agradar-te, sem saber: copiei-te as poses, do teu jeito metaleiro, feio, meio poluído. Havia-me despersonalizado ao adoptar-te nos gostos, nas modas, nos interesses. Passei a gostar do que gostavas: das bonecas japonesas, dos cânticos negros, do misticismo, das pretas almas. Naquele dia, vinha preparado para ver o espetáculo da minha vida, da pessoa que nos unira, a 13 de Março de 2010. Lembro-me da data: agrafei-a. 

Oh friend, you’ve left me speechless, so speechless. 

Recordo-me de quando nos cruzamos a segunda e última vez nas nossas vidas: estavas sentado no chão, ao lado da pessoa que te colhera o coração e nos influenciara a pseudo-relação que construímos. Não sei como aguentei ver-te tão pouco. Não sei como aguentei a tamanha humilhação das tuas preferências, dos teus gostos, especialmente deste último trono: o de te sentares ali, e não aqui, naquele dia tão especial. O dia 10 de Dezembro de 2010 não foi um dia completamente feliz. Nada na vida o é: aprendi a controlar os entusiasmos, a desconfiar-me, e a amar-me cada vez menos ao mesmo tempo que o meu amor por ti crescia. Já me questionei se foi amor – ainda hoje o faço. Sei que fiquei com buracos, falhas, e somei mais traumas aos desfile dos que já tinha. Acho que nunca mais sonhei, de verdade: naquela altura era tudo tão novo que nem sonhar era preciso, mesmo sabendo que o fazia, ao estar ali. Só o sonho pode justificar tamanha irracionalidade. Foste tu o meu primeiro palco. Foste tu a minha primeira fala. Foste tu o meu primeiro ensaio magnânimo. Mas o palco não era meu (ou só meu): tínhamos 400 quilómetros e a tua insegurança pelo meio. 

Naquele dia, estavas de preto (não aprendi a imaginar-te de outra forma). Despertaste em mim coisas novas e, por certo, trouxeste-me onde estou hoje. Foi naquele dia que me descruzei definitivamente de ti: deras-me as provas finais para sair do palco. Hoje não sei de ti, nem do que te é feito, mas espero, sinceramente, que estejas feliz. Incrivelmente, naquele dia, cruzei-me com a pessoa que me fez expulsar-te de vez. Fez-me tão feliz que nem saudades tuas tinha. Vinha para me dar tudo, mas eu não tinha nada para dar. Dei-te tudo e não sobrava muito para distribuir. Já lhe pedi desculpa por ti, na surdina muda em que os corpos se misturam com o amor. Agradeço-lhe, todos os dias, por ter entrado e nunca saído. Depois vieram tantas outras pessoas: na sua maioria projectos falhados, incrivelmente deixados ao vento, pelo meu excesso de entusiasmo em cumprir metas. Hoje, ao olhar para trás, consigo ver as falhas e apontar a maioria dos defeitos à minha falta de feitio e à sobranceria intelectual de não admitir que era pequeno e precisava de ajuda. Era tão pequeno. Sou tão pequeno. 

Naquela data, cruzaram-se, no mesmo espaço, todas as pessoas que fizeram a minha vida ganhar sentido nos tempos que se seguiram: foi como que um cenário pintado – estavam todos lá, sem se saberem uns dos outros. Viemos buscar-nos a Lisboa. Só hoje conseguimos detectar isso mesmo, por incrível que pareça. Poucos dias depois, fiz vinte e um anos. Depois fiz vinte e dois e estou quase nos vinte e três. Estava naquela gare a pensar nos dezembros que se seguiram. E nos que virão. E na importância incrível que 10 de Dezembro de 2010 tem para mim. Nunca fui de guardar recordações, nem de pensar em coisas definitivas, mas este foi o início de um mundo novo. Tão novo que nunca vai deixar de o ser -  gosto muito disto em que me tornei. Idolatro a minha liberdade, as feridas, mas especialmente as pessoas que me acompanham. E, curiosamente, hoje são 10, mas de Setembro. Do nosso Setembro. Talvez seja tempo de voltar a tomar o comboio de regresso, em definitivo. Faz sentido regressar. Já não há do que fugir.

10 de Dezembro de 2012
Rumo ao Norte
Luís Gonçalves Ferreira

3 comentários:

  1. Raise a glass to mend all the broken hearts...

    ResponderEliminar
  2. Há datas que, por as termos agrafado, deixam sempre a cicatriz da saudade e da nostalgia, remédios naturais para uma nova esperança, Luis!

    Um abraço com as palavras que te deixo!

    ResponderEliminar
  3. Time is a tricky thing, sometimes you forget what you've done an hour ago, but some other times you still remember something that passed away, and you wonder... is this memory still alive?

    ResponderEliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!