quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Como nunca mais

Saudade, "vai, entra à vontade", porque eu já esperava que fosses voltar. Com esses olhos tão verdes falando de esperança para me tentar. Saudade, "senta-te à vontade" e dá-me notícias que trazes de alguém. Passado, porque tudo passa e até tu, saudade, vais passar também. Não há dois dias nunca iguais. Eu quero viver cada dia como nunca mais. É bem possível que ainda amanhã me peças para voltar atrás. Mas, ouve, o que passou passou, nada se repete. Para mim tanto faz. É bem possível que outro amor cresça em mim em flor da cor do jasmim. O improvável acontece e até tu, saudade, vais chegar ao fim. 

"Como nunca mais", Tozé Brito 
(música de Ana Moura, em Desfado)


2 comentários:

  1. Ao tempo que aqui não passava!
    Ana Moura, uma fresca voz do nosso fado.

    Um beijinho Luís

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha saudades do sentido dos teus comentários. Um beijo grande.

      Espero-te bem *

      Eliminar

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!