quarta-feira, 22 de abril de 2015

Cântico dos cânticos

Eis que me toma a noite. Aos golos, como o último whiskey que bebemos juntos, no mar. Lembro-me de tudo em ti, principalmente a saudade que já não tenho. Recordo-me do barulho que as ondas faziam no meu peito apaixonado. Os nossos corpos suavam ainda quietos, por saberem das tentações que juntos comungavam. Titãs observantes de Cartago a Roma.

Éramos como fiéis a caminho de Santiago, talvez ultrajados pela promessa de uma vida em paz. 
Recordo-me do peito flamejado que sentia. Da ardência dos olhos que torneavam as memórias de perdas e alcances que consumíamos. 
Tenho sete saudades na vida, como os gatos e como Jesus as disse na cruz. 
Três saudades já as perdi.Tenho quatro saudades sobrantes e não sei que destino dar. São quatro mortes, três vidas restantes. 
Uma vida perdi-a, se calhar, em ti. As vírgulas mergulham-me. Embato numa
memória e o dicionário cai da estante como a abóbada que ruiu na catedral. 
É abril e não há flores no meu jardim. Ainda sinto o cheiro branco das magnólias.

Luís Gonçalves Ferreira

Sem comentários:

Enviar um comentário

Vá comenta! Sem medo. Sem receio. Com pré-conceitos, sal e pimenta!